Amy Winehouse

Outros artistas interpretam: The Beatles

The Beatles é uma daquelas bandas eternas, não é? Criada em 1960, em Livepool, até hoje permanece atual e conquista fãs por todo o mundo, servindo ainda de influência para muitas bandas que se inspiram não só em seu estilo, mas em suas mensagens e em suas capas de disco, propagando’ sua essência por aí! A importância dos Beatles é tamanha, que Dave Grohl, vocalista do Foo Fighters, escreveu uma carta a respeito do lançamento de uma coletânea de canções dos garotos de Liverpool dizendo o seguinte: “Se não fosse pelos Beatles, eu não teria sido um músico. Simples assim. Desde muito jovem, fiquei fascinado com suas músicas. Com o passar dos anos, mergulhei no catálogo. O groove e a fanfarronice. A graça e a beleza. A escuridão e a luz. Eles pareciam ser capazes de tudo. Não havia barreiras. Essa liberdade parecia definir o que conhecemos hoje como Rock and Roll.”.

Então foi pensando nisso que resolvi fazer algo diferente aqui no blog e dividir com vocêsalguns covers de músicas dos Beatles tocadas por outros artistas famosos! As músicas não estão em ordem de qualidade/gosto.

  • Para começar, uma versão do Oasis para Strawberry Fields Forever, já que o vocalista da Noel Gallagher foi tão influenciado pela banda que é famoso por já ter dito a seguinte frase: “John Lennon tinha um problema: ele achava que era Deus. O meu problema? Eu acho que sou John Lennon.” 
  • Fiona Apple também fez uma versão incrível para a música Across The Universe! Ficou simplesmente espetacular e não dá vontade de parar de ouvir! 
  • Temos também Elton John cantando Lucy in the Sky with Diamonds, que é tão sensacional quanto a música original!
  • Também tocada por uma banda britânica, Florence and the Machine, minha dica é uma versão de Oh! Darling. A música ganhou um tom mais indie rock, e foi uma das coisas que levaram à minha paixão pela voz de Florence Welch, uma das grandes revelações da música britânica dos últimos anos! 
  • Outra cantora que fez um cover da música Oh! Darling foi Sara Bareilles
  • Ozzy Osbourne, apesar de ser considerado pai do heavy metal, é um grande fã dos beatles, e se orgulha por se chamar John (Ozzy é só um apelido) assim como seu maior ídolo John Lennon! E aí fica sua versão de In my Life, uma bela homenagem! 
  • Uma das minhas preferidas é do Eddie Vedder, vocalista da banda Pearl Jam, cantando You’ve Got to Hide Your Love Away. Genial!
  • Colbie Caillat cantando Here Comes the Sun!
  • Feito por mais uma mulher da música, a também inglesa Amy Winehouse, uma versão que pouca gente ouviu da música All my Lovin’, que deixou a música mais voltada ao blues e ainda assim linda. Saudades de Amy Winehouse! 
  • A banda Arctic Monkeys tocou a música Come Together nas Olimpíadas de Londres.

E aí, qual foi a versão que vocês mais gostaram?

Anúncios

Entre São Paulo e Londres

É comum que no início do ano todos comecem a fazer planos, metas para serem realizadas durante o restante do ano. Pela primeira vez em muito tempo comecei a fazer as minhas e pretendo segui-las à risca até me formar na Universidade e conseguir finalmente ter condições de fazer meu sonhado intercâmbio e morar um ano em Londres. Entretanto, para uma viagem dessa proporção e sem nenhum acompanhante, apenas ter o dinheiro para se manter e as passagens, não garante nada. Antes é preciso ter um bom domínio da língua inglesa para não passar muito sufoco nas primeiras semanas de viagem. Como esse ano vai me faltar principalmente tempo, não terei como voltar para o curso de inglês, então o jeito é me virar em casa, aprendendo sozinha o máximo que eu puder, até porque, ou junta-se dinheiro, ou paga-se o curso de inglês!
Pra começar eu sugiro o Podcast Inglês Online. Ele é feito por uma professora de inglês brasileira e ensina como dizer algumas expressões utilizadas aqui no Brasil em inglês. É muito interessante, todos os áudios vêm acompanhados da transcrição e se você tiver um inglês de pré-intermediário, dá pra aproveitar bastante.Então pra inaugurar as postagens de 2012, quero fazer algo útil e quem sabe ajudar quem precisa aprimorar o inglês e não sabe bem como, dando dicas dos meus sites preferidos pra quem quer estudar sozinho com o apoio da internet!

Outro site mais descontraído é o Lyrics Training, um site para quem gosta de música e precisa melhorar a capacidade auditiva. Nele você encontra músicas de nível fácil, médio e difícil para ouvir e completar as lacunas com as palavras que faltam. É possível ainda fazer o cadastro no site e competir com outros usuários para ver quem consegue mais pontos.

O Livemocha é um site muito legal que funciona como uma rede social parecida com o facebook e permite ao usuário aprender diversas línguas e ainda conhecer native speakers. Para quem busca cursos de inglês, pode encontrar desde cursos básicos, pra que tem pouca ou nenhuma noção da língua, a cursos avançados e de conversação. Além disso, é possível auxiliar estrangeiros que estão aprendendo português e com isso ganhar mochapoints e trocá-los por cursos que seriam pagos. A vantagem do Livemocha é ter o feedback de nativos na correção dos seus exercícios e poder fazer amigos do mundo todo.

Para quem vai fazer o TOEFL (Test of English as a Foreign Language ou Teste de Inglês como Língua Estrangeira), muito requisitado para estudantes que vão estudar em Universidades fora do país e precisam comprovar que estão aptos a assistir às aulas em inglês, um site que conheci a pouco, o ESLPodCast, que ensina algumas expressões usadas por native speakers e que podem cair no teste.

No Youtube há um canal muito legal, com as aulas do Teacher Steve Ford. As aulas são muito interativas e ensinam expressões, dão dicas de pronúncia, e ajudam a melhorar o listening, além de serem divertidas e apresentarem diversos níveis de dificuldade e algumas aulas preparatórias para o TOEFL.

O Quick and Dirty Tips eu acabei de conhecer e me parece muito legal, mas é para estudantes de nível avançado. O site tem várias seções com dicas, todas em inglês, inclusive de gramática e sobre o modo de vida americano.

O A Way With Words eu também conheci a pouco tempo e deixei para o final porque é um language show para americanos mesmo, que discute a origem de palavras, expressões e é muito legal, porém os áudios não são acompanhados de transcrições, mas apenas com um resumo do que é discutido no programa. Para ficar por dentro é necessário um esforço se você não tiver um bom inglês, pra lá de intermediário avançado.

Além disso, escutar músicas e assistir a filmes com as legendas em inglês e fones de ouvido pode ajudar bastante. Como eu sou fascinada pelo sotaque britânico, artistas como Beatles, Oasis, Muse, Adele, Amy Winehouse, Kate Nash, Coldplay, Keane me agradam quanto a pronúncia, e filmes como Harry Potter são ótimo. Assistir a algumas séries também pode ser uma boa fonte de aprendizagem e diversão, e nesse quesito, The Big Bang Theory pode acrescentar muito ao seu inglês se você tiver um nível intermediário avançado a avançado.

E para fechar, as principais atrações turísticas de Londres:

Este slideshow necessita de JavaScript.

O legado de Amy Winehouse

Hoje infelizmente ao acordar recebi a péssima notícia da morte de um ícone pop, a britânica Amy Winehouse. Noticiários cheios de especulações, falso moralismo e na internet não menos: piadinhas de humor negro que não cabem no clima de luto e sensibilidade que o momento pede. Passada a revolta e o choque pela notícia, ficou a reflexão do que Amy deixou para seus fãs: tem quem acredite que seus shows de maus exemplos tenham ficado muito mais marcados para servir de exemplo para aqueles que usam drogas, do que propriamente seu talento, sua música e tudo que a cantora acrescentou em termos de fazer renascer o soul americano e abrir espaço para o sucesso de novas cantoras de jazz, blues, soul e pop não fabricado pelo mainstream, frisando um falso-moralismo e a necessidade de se vender e comprar tragédias.

Amy foi incrível, uma artista verdadeira e desbocada como há tempos o mundo da música pop não via, e sinceramente não vejo motivo para reascender o debate acerca do perigo gerado pelo uso de drogas. Prefiro deixar a discussão para os moralistas de plantão e continuar com o meu posicionamento de que cada um é responsável por suas escolhas, tem suas formas de escapar da realidade, e que isso não determina nenhuma falta de caráter. Amy fez suas escolhas, arcou com as consequências, mas vai ser eternizada pelo seu talento. Foi mais do que uma cantora de soul, jazz e pop, mas também uma compositora excepcional, que extravasava seus sentimentos de forma visceral e sincera. Amy estava doente já havia muito tempo e era claro que precisava de ajuda, mas seu talento é incontestável. Uma pena que a maioria tenha optado por enxergá-la como a esquizofrenia dos tabloides britânicos numa jaula de jardim zoológico, ao invés de notar sua sensibilidade e buscar compreendê-la.

Amy Winehouse vai deixar saudades!