Ficção

Solidão acompanhada

Era sempre a mesma sensação, o mesmo incômodo doído no peito, aquele vazio… Era culpa da existência aquele buraco ali aberto, precisando ser preenchido, a fazendo se sentir incompleta. “Segunda opção”, “deposito de porra”, “capacho” eram algumas formas como ela às vezes referia-se à si mesma com desprezo. Como poderia ter uma auto- estima tão pequena e uma certeza tão grande de que merecia algo bom de verdade? Como podia odiar tanto suas falhas e, ao mesmo tempo, se achar muito mais incrível e até se passar por prepotente por se achar tão especial? Contradições.

Ela se distraia com os caras com quem compartilhava o tesão, aquela infíma parte do seu desejo, a ponta do iceberg. Vivia numa espécie de satisfação sexual que não sabia se lhe fazia mais bem ou mal. Gozava com alguma facilidade duas ou três vezes, e depois sentia que uma solidão a acompanhava a preenchia. Sexo é subestimado, pensava. Talvez fosse mais proveitosa uma siririca bem tocada a uma foda que lhe cansava os músculos e depois doía a alma.
Fato é que sentia que havia muito mais para dar de si do que apenas a boceta e achava tudo aquilo um desperdício de tempo, energia, sanidade. Pensava no quanto aqueles seres desnudos ao seu lado perdiam e no quanto ela mesma, em sua liberdade sexual que a taxava de biscate, retraia um pulsar incessante no âmago. Sentia sede de intensidade, de entrega, coisa que socar algumas vezes aqui e outra ali não sanava.
Levantou-se daquele cômodo impessoal de motel, colocou a calcinha jogada na ponta da cama e vestiu as roupas enquanto saía de fininho. Deixou o rapaz dormindo. Na maioria das vezes aquelas fodas filosóficas lhe pediam uma caminhada e um cigarro com gosto de câncer e cool. Culpa cristã era o caralho. O buraco era mais para dentro e sangrava.